quarta-feira, 18 de agosto de 2010

A TEORIA DO CAOS.



A palavra caos, a princípio designa a ideia de desordem, imprevisibilidade, bagunça ou lá o que o valha.

Quando vemos o caos logo pensamos numa forma de colocar "ordem". O caos nos deixa ansiosos e apreensivos na medida em que sua aleatoriedade nos enche de incertezas. Tememos o desconhecido, mas se esse desconhecido se apresenta na forma de caos, nos apavoramos.

Sempre tenho dito aqui sobre a importância de afiarmos o nosso olhar. Precisamos treinar o mais que pudermos na arte de observar.

Ao observar, verá que existe ordem na aparente desordem e conseguirá perceber uma harmonia bem estruturada na manifestação do caos. Muitos cientistas estudaram e estudam o caos e já conseguem descrever na linguagem matemática alguns de seus movimentos.

Quando Albert Einstein disse que Deus não joga dados, ele quis justamente afirmar essa aparente lógica naquilo que conhecemos apenas como probabilidades.

Quando o meteorologista Edward Lorenz começou a examinar às teorias sobre o caos, ele tentou predizer e criar um sistema que conseguisse prever com certa precisão eventos futuros, ou seja, fazer uma previsão do tempo através de experimentos e por conseguinte a descrição dos mesmos na linguagem matemática.

Através de seus estudos, muita observação e experiências, traduziu por equações o chamado "efeito borboleta", aonde uma borboleta ao bater asas em algum ponto do planeta, poderia causar através de uma série de interações um furacão em um local distante e aparentemente sem nenhuma relação com a origem.

Lorenz se destacou, pois seu trabalho aumentou consideravelmente a precisão de suas previsões. Ao observar o trabalho de Lorenz, seis fatos ficam bem claros:

1- A interconexão ou a interligação entre eventos e locais aparentemente sem nenhuma relação, provando o que afirmo quando escrevo que tudo e todos nós estamos conectados.
2 - Um vislumbre fantástico da ordem na desordem, da harmonia matemática do caos.
3 - A possibilidade de, ao compreender os fenômenos envolvidos, tornar passado, presente e futuro uma coisa só, como de fato o são.
4 - A constatação de que pequenos movimentos, feitos de forma inteligente, provocam grandes alterações.
5 - Cai por terra a teoria de que grandes acontecimentos necessitam de grande esforço ou energia.
6 - A percepção de uma ordem inteligente no caos, nos remete imediatamente a um sentimento de forte esperança para quaisquer tipo de problema. Todos eles tem inúmeras soluções disponíveis a nossa escolha.

É obvio que esse processo não carece apenas de fórmulas matemáticas mais apuradas e nem tampouco teríamos que nos tornar cientistas altamente capacitados, para não só entender, mas também fazer uso de todo esse mecanismo em prol da nossa felicidade neste mundo físico.

Os cientistas que pesquisaram e demonstraram os primeiros passos desse processo, são maravilhosos, pois nos presenteiam com uma janela de infinitas possibilidades.

Sem dúvida o caos e a desordem são responsáveis pela infinita diversidade e um sem número de possibilidades neste mundo que habitamos.
Mas como nós, simples mortais, podemos nos engajar na compreensão de tudo isto?

Fácil: Estudando tudo que já existe sobre o tema e usando nosso maior poder, nossa dádiva que é a nossa capacidade de olhar, de observar e perceber.

Vivemos hoje em um mundo em constante caos. Aproveite essa grande oportunidade e tente achar uma lógica, uma ordem nesse caos. Ou mesmo na origem dele. Você pode olhar para sua própria vida ou para o mundo. Estímulos é que não vão faltar.
Comentários
2 Comentários

2 comentários:

A.C. Valadão disse...

Olá Ronaldo. Artigo super interessante. Mas será que poderia - através de exemplo - demonstrar como se tira proveito do caos de forma didática? Grande abraço!

Ronald Botelho Pinto disse...

Obrigado Sr ou Sra(?) A.C. Valadão em breve publicarei exemplos práticos de como aproveitar o caos em nossas vidas.
Abraço!